Mosteiro da Batalha – uma das mais belas obras de arquitectura da Europa

Portugal é um país que cresceu conquistado a pulso por Homens de coragem que definiram a nossa História. A Batalha de Aljubarrota travou-se na vila com o mesmo nome em 14 de Agosto de 1385. O Rei D. João I de Portugal e o seu Condestável D. Nuno Álvares Pereira, juntamente com os aliados ingleses, uniram forças contra as tropas espanholas vencendo a batalha e pondo fim a uma grave crise entre os dois reinos da Península Ibérica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Estátua equestre do Condestável D. Nuno Álvares Pereira, grande estratega militar

Esta foi uma das poucas batalhas campais da Idade Média e uma das mais decisivas da nossa História. A táctica militar de D. Nuno Álvares Pereira foi uma inovação que acabou permitindo que homens apeados levassem a melhor sobre um exército de cavalaria! Esta vitória permitiu também consolidar a aliança entre Portugal e Inglaterra, que se mantém até hoje.

PELOURINHO
Pelourinho da Vila da Batalha

O Rei D. João I mandou então construir (como pagamento da promessa que tinha feito à Virgem Maria se ganhasse a batalha) o mosteiro ao qual deu o nome de Mosteiro de Santa Maria da Vitória. Afonso Domingues foi o arquitecto chamado pelo Rei para dar corpo à obra. Seguiu-se-lhe David Huguet, um arquitecto irlandês casado com uma portuguesa. Mais tarde, o arquitecto Mateus Fernandes tomou conta da empreitada.

ARQ
Túmulo de Mateus Fernandes, arquitecto e engenheiro militar português envolvido na construção do mosteiro

Os habitantes que moravam no local da construção que se passou a chamar vila da Batalha, chamaram ao colossal monumento Mosteiro da Batalha e é por este nome que é mais conhecido. A sua construção em estilo gótico e manuelino, durou quase 150 anos e atravessou o reinado de 7 Reis de Portugal. Com o terramoto de 1755 e a invasão das tropas de Napoleão, o mosteiro sofreu graves danos e foi alvo de grandes obras de restauro que lhe conferiram algumas transformações.

LAT
Fachada lateral do Mosteiro de Santa Maria da Vitória

E agora que já vagueámos um pouco pela História de Portugal, vamos regressar ao presente e visitar esta obra grandiosa que nos aparece de repente no horizonte, imponente e majestosa, deixando-nos sem adjectivos para poder descrevê-la como merece!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
O portal do transepto ou porta lateral de entrada na igreja
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
A torre sineira

A entrada para a igreja (área de visita gratuita) faz-se pelo portal principal, ricamente trabalhado com as figuras dos apóstolos, anjos e santos. Aliás, é de referir que todo o monumento foi construído com pedra de Porto de Mós, que ao longo do tempo ganhou uma cor amarelada e rosada que o caracteriza.

PORTA
Portal principal
APOS
Pormenor dos Apóstolos
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Os anjos e santos
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
A benção de Deus

As dimensões da nave central da igreja deixam-nos sem palavras: com 80 metros de comprimento e 32 metros de altura, é uma das maiores de Portugal! Os magníficos vitrais que decoram as suas naves foram os primeiros criados no país.

NAVE
A longa nave central
VITRAIS
Os artísticos vitrais no cabeço da nave central onde se destaca Cristo na cruz
CAP (2)
Uma das muitas capelas  das naves laterais
20200126_103227 (2)
O túmulo de D. Diogo Lopes de Sousa, conselheiro real, é uma obra rara com influências da escultura italiana. O seu filho, arcebispo de Lisboa e capelão-mor do Rei, quis assim homenagear as reconhecidas virtudes de seu pai
ALT
A imensa altura das abóbadas

À direita da igreja está a Capela do Fundador que abriga os túmulos do Rei D. João I e de sua esposa a Rainha D. Filipa de Lencastre assim como os dos seus filhos, os Príncipes de Avis.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
No centro da Capela do Fundador está o túmulo de D. João I e de D. Filipa de Lencastre
TUMUL
Ao redor foram colocados os túmulos da dinastia de Avis ou dinastia Joanina que reinou em Portugal entre 1385 e 1580
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
O tecto da Capela do Fundador ruiu por completo durante o terramoto de 1755 tendo sido reconstruido à imagem do original
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Aspecto exterior da Capela do Fundador

O Claustro Real de um só piso, tem belas galerias onde o rendilhado trabalhado na pedra é digno da nossa admiração e, embora o jardim central tenha surgido já na época do Rei D. Manuel I, a sua estrutura já se fazia adivinhar. A belíssima fonte que se encontra junto à entrada do antigo refeitório conventual, foi ali erigida para que se cumprisse o ritual da lavagem das mãos antes das refeições.

CLAU
Galeria interior do Claustro Real
20200126_111617 (2)
Pormenor do trabalho decorativo em pedra e as gárgulas nos pilares
CC
Jardim do Claustro Real
FONTE
A bela fonte do mosteiro

No lugar do antigo refeitório encontra-se agora o Museu das Oferendas ao Soldado Desconhecido, que perpetua a memória da participação de Portugal na 1ª Grande Guerra Mundial. Também aqui se encontram as ofertas de várias entidades como forma de agradecimento aos combatentes portugueses que defenderam os nossos interesses na Europa, Ásia e África.

MUSEU
O Museu das Oferendas
BANDEIRA
Última bandeira portuguesa hasteada em Macau antes da passagem do território para a República Popular da China
PEDRA
Esta pedra tumular, oferecida pela Câmara Municipal de Lisboa em 1922 para ser colocada no túmulo do Soldado Desconhecido, não foi usada para esse fim por ter sido considerada muito “exuberante”

Ao lado está a Sala do Capítulo onde fica o Túmulo do Soldado Desconhecido, permanentemente iluminado pela “Chama da Pátria”. A abóbada desta sala foi considerada um desafio da arquitectura gótica europeia por não ter suporte central. O risco desta construção foi de tal modo elevado que, neste local, só trabalharam prisioneiros condenados à morte.

CAPITULO
Túmulo do Soldado Desconhecido na Sala do Capítulo
Mosteiro_da_Batalha_-_Sala_do_Capítulo_(1)
A enorme abóbada da Sala do Capítulo

De seguida passamos para o Claustro de D. Afonso V, construído durante o reinado deste rei português. Como era mais pequeno e mais simples, era aqui que os frades dominicanos passavam a maior parte do seu tempo. Foi o primeiro claustro de dois pisos construído em Portugal.

CLAUSTRO2
O Claustro de D. Afonso V visto do piso superior
SUPERIOR
Galeria superior do Claustro de D. Afonso V

Por último, visitamos as não menos exuberantes Capelas Imperfeitas mandadas construir pelo Rei D. Duarte para que ali fosse sepultado. Apesar de artisticamente perfeitas, foram assim chamadas por terem ficado inacabadas devido à morte do Rei e de Huguet. Ficou assim por fazer a grande abóbada central.

PPPPP
Impressionante portal das Capelas Imperfeitas
CAP2
Interior das Capelas Imperfeitas
CAP3
Panteão de D. Duarte
20200126_122005
Túmulo do Rei D. Duarte e de sua esposa a Rainha D. Leonor de Aragão
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Detalhe da derradeira fase de construção das Capelas Imperfeitas
IMP
Aspecto exterior das Capelas Imperfeitas
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Os trabalhos que foram esculpidos na pedra por todo o mosteiro são dignos do nosso olhar atento, como aqui nas laterais da porta das Capelas Imperfeitas

O mosteiro foi inaugurado em 1517 e veio mostrar o poder financeiro e de construção que os portugueses tinham na época. Nunca foi acabado uma vez que o Rei D. Manuel I vocacionou os seus interesses para os Descobrimentos Portugueses.

SOUVENIRS
Na antiga cozinha do mosteiro está agora a loja de souvenirs
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Na saída encontramos o busto do Infante D. Henrique, filho de D. João I e de D. Filipa de Lencastre. Foi ele a mais importante figura do início dos Descobrimentos Portugueses.

O Mosteiro de Santa Maria da Vitória, localizado no Distrito de Leiria, fica a 140 Km de Lisboa e a 20 Km do Santuário de Fátima. Está aberto todos os dias entre as 9h30 e as 17h30 e a entrada é gratuita aos domingos e feriados até às 14 horas. O ingresso é gratuito para crianças até aos 12 anos e pessoas em situação de desemprego, adultos/6€ e estudantes e séniores/3€.

MESTRE
No jardim fronteiriço está o monumento ao Mestre de Cantaria Artística Alfredo Neto Ribeiro, nascido na Batalha. Os seus pais, também eles artistas, participaram activamente nas obras de reconstrução do mosteiro

Pela sua originalidade, bem cultural e génio criativo, o Mosteiro da Batalha recebeu a classificação de Património Mundial da UNESCO em 1983 e em 2007 foi eleito uma das 7 Maravilhas de Portugal na categoria de Património Arquitectónico. Precisa de mais algum incentivo para fazer uma visita a este belo mosteiro?

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Faça como nós, venha até cá e traga os mais pequenos… eles também vão gostar!

♥ Boa viagem ♥

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s