Castelo de Stirling – o guardião do Reino

O Castelo de Stirling tem, sem dúvida, uma importância fundamental para a História da Escócia. Quem o visita faz uma viagem até à Época Medieval e ao tempo em que corajosos guerreiros, davam a vida pelos seus ideais. Começou a ser construído no século XII, no alto de um monte muito íngreme de origem vulcânica, nas margens do Rio Forth.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
O Rio Forth visto do castelo

A sua localização foi estrategicamente estudada para que o castelo tivesse uma forte posição defensiva, já que foi alvo de ataques dos ingleses, pelo menos dezasseis vezes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
O castelo visto da planície de Stirling

Em 1297, durante a Guerra da Independência da Escócia, William Wallace, guerreiro conhecido pela sua dedicação à causa, vence a importante Batalha de Stirling Bridge e recupera o castelo. Em 1298 foi feito Cavaleiro e designado “Guardião da Escócia”. Mais tarde o castelo voltou novamente para as mãos dos ingleses e Wallace foi capturado e barbaramente executado em 1304. O filme “Braveheart – o desafio do guerreiro”, conta em pormenor o feito de William Wallace.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Local da Grande Batalha de Stirling Bridge

O seu primo, Robert the Bruce, que era na altura Rei da Escócia, voltou a reconquistar o castelo na dura Batalha de Bannockburn em 1314. O castelo funcionou como residência principal de Reis e Rainhas até 1685, tendo depois sido quartel-general de regimentos armados. Entre os séculos XV e XVI, foi substancialmente ampliado uma vez que os sucessivos ataques tinham destruído várias instalações.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Interior do castelo

Na esplanada da entrada do castelo, a estátua de Robert the Bruce, dá-nos as boas vindas. No lado oposto, ergue-se um Monumento de Homenagem ao Soldado Escocês.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Estátua de Robert the Bruce
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Monumento de Homenagem ao Soldado Escocês

Ao entrar, no pátio interior existem blocos de casas onde viviam todos os serviçais de apoio à realeza. A ala das cozinhas era subterrânea e apenas foi nivelada em 1689. Aqui está em exposição uma recriação histórica da azáfama na cozinha em dia de banquete.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Túnel de acesso às cozinhas
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Recriação histórica

Mais à frente, está alinhada a bateria de canhões virados para o vale da pequena cidade. No pátio central, está a casa do Comandante da Fortaleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bateria de canhões

No lado oposto, destacam-se os dois edifícios mais importantes: o Grande Hall e o Palácio Real. O Grande Hall em estilo renascentista, foi mandado construir pelo Rei Jaime IV em 1501, para realizar ali grandes banquetes e celebrações.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
O Grande Hall

Mais tarde o edifício foi usado como estábulo e depósito de carruagens. Destacam-se aqui, as suas lareiras ornamentadas e os seus tectos de carvalho.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Uma das lareiras ornamentada
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Pormenor dos tectos em carvalho

O Palácio Real foi construído entre 1537 e 1543, numa combinação de estilos renascentista e barroco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
O Palácio Real

O edifício tem um pequeno pátio que se chama “Caverna do Leão”. Os tectos dos aposentos privados são decorados com retratos circulares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Pormenor dos tectos dos aposentos

Durante a visita passamos pela Capela Real que data do século XVI. Aqui foi coroada Maria Stuart, Rainha Católica da Escócia. Terá existido antes, uma capela mais pequena que foi destruída durante um dos ataques.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Capela Real

No lado Norte das muralhas estão os armazéns de pólvora.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Muralhas e armazéns da pólvora

O Museu do Castelo, localizado na entrada das caves, junto ao Jardim Queen Anne, exibe maquetes das várias fases de reconstrução do castelo. Ali também se concentra a informação histórica de como o castelo mudou de mãos, oito vezes em cinquenta anos. Ainda pode visitar o Museu dos Regimentos e das Figuras Ilustres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Jardim Queen Anne e Palácio Real
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Entrada das caves e acesso ao Museu
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Aspecto do interior do Museu

O Campo de Parada é usado, com frequência, para a realização de espectáculos ao vivo. O castelo serviu, durante muito tempo, como local de cunhagem de moeda e por isso, a actual nota de 20£ tem uma ilustração do Castelo de Stirling no seu verso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Figuras Ilustres no Museu

Como em todos os castelos da Escócia, há relatos da existência da “Dama Verde de Stirling”, uma serva da Rainha Maria Stuart. Diz-se também, que o “Fantasma Cor-de-rosa”, está associado à própria Rainha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Aspecto do interior do castelo com os “fantasmas” ao fundo

Na saída, é interessante apreciar o tipo de arquitectura do Cemitério de Stirling.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Cemitério de Stirling

Ao longe, na paisagem, também consegue ver o monumento a William Wallace.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Monumento a William Wallace visto do castelo

O ingresso no castelo custa 12£. Se partir de Edimburgo, que fica a uma distância de 70 Km, saiba que pode chegar aqui de comboio que parte da Waverley Station a cada 30 minutos. Também há autocarros por toda a cidade que partem de hora a hora. Há ainda excursões para as Highlands ou Lochs, que incluem o castelo de Stirling.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Rampa de acesso ao interior do castelo

♥ Boa viagem ♥

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s