Vai pela primeira vez a Nova Iorque? Veja como preparámos a viagem, dicas e o nosso roteiro de sete dias.

 Preparar a viagem ♦

Sete dias para uma primeira visita a Nova Iorque parece pouco e, na verdade, é! O ideal seriam no mínimo 10 dias, mas o desejo de conhecer a cidade que nunca dorme era grande e o orçamento disponível não dava para estar mais tempo. E como mais vale pouco que nada, aproveitámos o máximo possível começando em casa a organizar a viagem com alguns meses de antecedência.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
A bordo do Airbus A330-200 da TAP Air Portugal

Primeiro que tudo há que tratar da documentação. Temos que ter passaporte de leitura óptica válido e uma autorização de entrada no país denominada ESTA, sem os quais não entramos nos Estados Unidos da América. Também é essencial levar um seguro de viagem/saúde que cubra emergência médica. Para informações mais detalhadas consulte o nosso “Guia de viagem para os EUA”.

NY5
Passaporte válido e ESTA. Sem eles os cidadãos portugueses não entram nos EUA.

Quanto ao transporte e alojamento, podemos reservar pela internet ou recorrer a uma agência de viagens. Depois das contas feitas aos custos, nós optámos pela última hipótese e comprámos um pacote de City Break que incluía avião, hotel com pequeno almoço, transfer de e para os aeroportos, seguro de viagem e ainda meio-dia de visita à cidade em autocarro, com guia. Pagando o serviço, também nos trataram do ESTA a pedido.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Hotel Fairfield Inn & Suites New York Manhattan/Downtown East

Um roteiro é essencial! Se quisermos rentabilizar o tempo de visita temos mesmo que o fazer. Para isso fazemos uma lista do que gostávamos de ver e agrupamos por dias. São só sete dias e por isso também temos de fazer escolhas e retirar do roteiro alguns sítios que não vamos ter tempo de visitar e que saem fora do orçamento disponível. Paciência! Fica para a próxima! Também é importante estudar os transportes e trajectos adequados a cada dia. Pode ajudar ler o nosso artigo Nova Iorque – Transportes públicos”.

20170808191856
Estudar os transportes para perceber como funcionam é importante.

Se não tem, é muito útil fazer um cartão de crédito e levar alguns dólares. O cartão de crédito é o meio de pagamento mais usado, mas o dinheiro vivo também vai fazer falta para as primeiras necessidades, como por ex. pagar a deslocação do aeroporto para a cidade ou o passe e bilhetes dos transportes públicos.

NY4
Algum dinheiro vai fazer falta

Depois de pesquisar e fazer contas aos custos, para a primeira visita a Nova Iorque, aconselhamos vivamente a compra do New York CityPass que inclui, por um preço mais acessível, a visita a seis das principais atracções da cidade e descontos nos ingressos das restantes três opcionais que não escolheu. Os portadores do CityPass ainda têm a vantagem de ter uma entrada própria evitando assim as longas filas nas bilheteiras. Acredite! Em Nova Iorque tempo é dinheiro. O ideal é comprar antecipadamente no site oficial. É rápido, seguro e é só trocar o comprovativo que imprimiu em casa na primeira atracção que visitar.

NY2
New York CityPass – Bastante compensador em dinheiro e tempo.

A corrente eléctrica é de 120 V e por isso é imprescindível não esquecer o adaptador de tomadas eléctricas, modelo A B. Levar, também, um mapa da cidade e do metro. Nós escolhemos na Internet e imprimimos. Fácil! Nos hotéis também dão.

NY6
Adaptador de tomadas eléctricas e mapas. Indispensável!

É recomendável levar um cadeado de mala aprovado pela TSA (Transportation Security Administration). Algumas pessoas não sabem, mas toda a bagagem despachada passa por um raio-X e os agentes da TSA estão autorizados por lei a abrir as malas sempre que precisem de fazer uma averiguação ao conteúdo. Se tiver um cadeado TSA a mala será aberta e fechada sem danos com uma chave mestra e será colocado um papel no seu interior informando que foi revistada. Se tiver outro tipo de cadeado ou fechadura estes serão arrombados e ficarão danificados.  Os cadeados TSA podem ser de chave ou código e vendem-se em lojas de artigos de viagens e outras como por ex. na Worten, Staples ou Fnac.

20170701_102819
Cadeados TSA – Têm de ter este símbolo geométrico.

Se for no Verão, como nós, não deixe de levar um impermeável e um agasalho ligeiro para a noite. O ideal, quando fizer a mala, é espalhar os objectos mais compactos para não dificultar a leitura do raio-X.

IMG_4223
E pronto! Estamos preparadas, vamos para Nova Iorque!

 

♦ O nosso roteiro de 7 dias em Nova Iorque ♦

Dia 1

O primeiro dia foi praticamente todo passado em viagem. O nosso voo estava marcado para partir às 13.20h. Chegámos ao aeroporto 4 horas antes, a pedido da agência de viagens, devido ao grande afluxo de passageiros ao aeroporto de Lisboa durante o mês de Agosto.

IMG_4219
Airbus A330-200 da TAP Air Portugal

Já trazíamos o check-in feito de casa e, com alguma surpresa, conseguimos despachar as malas rapidamente. Mais demorado foi passar o controlo de bagagem de mão. É recomendável ir para a fila com algum tempo de antecedência. O tempo passou e, mais ou menos meia hora antes do embarque, começaram os procedimentos de segurança habituais para quem viaja para os EUA: depois de inspeccionada a sala de espera, alguns passageiros, escolhidos aleatoriamente, e sua bagagem de mão são revistados e, se necessário, fazem no local o despiste de drogas e outros químicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Interior do Airbus A330-200 da TAP Air Portugal com destino a Newark

Sem incidentes a registar, embarcámos e o voo partiu sem atrasos. Viajámos na Tap Air Portugal, na classe económica, e podemos dizer que foi um voo excelente em todos os aspectos: assentos confortáveis e espaçosos e cada passageiro tem para si uma manta, uma almofada, auriculares e uma televisão onde pode escolher entre música, filmes de todos os géneros, documentários, noticiários, jogos e informações sobre o voo. Ninguém se aborrece. Também as duas refeições servidas e o atendimento do pessoal de bordo foram excelentes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Almoço na Tap Air Portugal

Chegámos na hora prevista e precisámos de 1hora e 30 minutos para conseguir passar o controlo de entrada nos EUA e recolher a bagagem. Parece que não foi muito tempo, tivemos sorte! O transfer estava à nossa espera e no caminho para o hotel tivemos o primeiro contacto com a cidade de Nova Iorque onde chovia copiosamente.

20170807230227
O primeiro contacto com Nova Iorque, onde são menos 5 horas que em Portugal

Ficámos alojadas no Fairfield Inn & Suites New York Manhattan/Downtown East, um hotel de 3 estrelas na entrada da China Town. O nosso quarto não era muito espaçoso mas, como o hotel era relativamente novo, tudo tinha um ar muito asseado e estava equipado com ar condicionado, frigorífico, micro-ondas e chaleira. Na recepção, sempre com pessoal muito atencioso, estão disponíveis gratuitamente computadores e impressoras, muito úteis para fazer o check-in de regresso. O pequeno-almoço incluído foi o ponto fraco, mas serviu perfeitamente oferecendo o básico da refeição.

20170807232052
Hotel Fairfield Inn & Suites New York Manhattan/Downtown East

Com o dia quase todo preenchido com a viagem, tínhamos previsto visitar a ponte de Brooklin à noite, mas a chuva intensa mudou-nos os planos. Fomos apenas jantar e comprar o MetroCard com validade de sete dias e passagens ilimitadas no metro e autocarros. A cidade é enorme e mesmo andando muito a pé é sempre preciso utilizar os transportes públicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
MetroCard válido por sete dias. Muito útil!

Dia 2

A manhã foi passada em circuito turístico em autocarro com guia, incluído no pacote que comprámos, que percorreu toda a Manhattan com a vantagem de vermos alguns locais mais afastados e que não estavam incluídos no nosso roteiro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
O trânsito parece caótico mas todos circulam ordenadamente

O circuito terminou no Battery Park situado no extremo sul de Manhattan, no Financial District. O parque, além de lindíssimo e bem cuidado, tem algumas obras de arte dispersas e uma vista magnifica sobre o rio Hudson, Jersey City e as ilhas Liberty e Ellis.

20170808174327
Jersey City vista do Battery Park

O parque conta com WC público gratuito, restauração e uma zona de merendas. A estação de metro mais próxima é Bowling Green. Almoçámos por aqui, experimentando pela primeira vez a comida de rua (street food) à venda nos atrelados. A primeira impressão foi excelente e o preço é realmente muito acessível.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Os atrelados da street food espalhados por toda a cidade

Apanhámos o metro e seguimos para o Museu Americano de História Natural onde, por ser a nossa primeira visita incluída no CityPass, fizemos a troca do voucher pela caderneta dos talões dos ingressos.

IMG_4410
Museu Americano de História Natural

O museu encerra às 17.45h e nós chegámos por volta das 14.30h pensando que tínhamos muito tempo para a visita, mas o espaço é enorme e quase que não conseguíamos ver tudo. Para ver o último piso foi uma correria. Mesmo à justa!

IMG_4425
Interior do Museu

Apanhámos de novo o metro e fomos para a Times Square, situada no Theatre District  onde passámos o resto da tarde e noite passeando pelas ruas da Broadway, onde estão concentrados os teatros.

20170809002006
Times Square
20170812004319
Os teatros da Broadway

Também visitámos as lojas mais emblemáticas do local, como a M&M’S World e o Hard Rock Cafe. Para quem precisar de WC, nós encontrámos no McDonald’s, mas sempre apinhados, e no piso inferior do Hard Rock Cafe, bem mais tranquilo.

20170809015549
M&M’S World
20170808234634
Hard Rock Cafe

Dia 3

O dia de hoje é para os fortes. A manhã e a tarde foram passadas no Central Park, que já tínhamos destinado que percorreríamos todo a pé até ao Harlem. O parque tem todas as infraestruturas necessárias para quem o visita: Centro de apoio aos visitantes, WC’s públicos, bebedouros, bancos, restauração e bancas de souvenirs.

20170809152057
Centro de apoio aos visitantes

A manhã foi passada a visitar a parte mais bonita e turística do parque. Entrámos junto à Lagoa (The Pond) e seguimos até ao Lago (The Lake) através da avenida principal (The Mall). A aproximação ao Lago é no mínimo surpreendente. O Terraço Bethesda é o espaço mais deslumbrante do Central Park.

20170809173723
Terraço Bethesda

Almoçámos no restaurante Boathouse, junto ao lago, e podemos dizer que comemos o melhor cachorro das nossas vidas.

20170809183304
Restaurante Boathouse
20170809185251
Uma delicia!

De tarde continuámos a nossa caminhada até ao topo norte onde começa o Harlem. Percorremos toda a margem do Reservatório Jacqueline Kennedy Onassis, saindo do parque junto ao lago Harlem (Harlem Meer).

20170809212417
Reservatório Jacqueline Kennedy Onassis

Já com pouco tempo, seguimos para a Catedral St. John the Divine, situada no Harlem, a mais ou menos 1 quilómetro de distância do Central Park. Valeu a pena a caminhada pois a Catedral é lindíssima e a sua visita é imperdível. A entrada é paga.

20170809231603
Catedral St. John the Divine
20170809224659
Interior da Catedral

Apesar de cansadas, resolvemos apanhar o metro para Brooklyn e acabar o dia vendo o anoitecer em Manhattan sentadas na margem do East River. Enquanto esperamos pelo anoitecer vale a pena fazer um pequeno passeio pelo Brooklyn Bridge Park que também dispõe de WC público gratuito.

20170810005922
À espera do anoitecer em Manhattan. Não estávamos sozinhas!
IMG_5338
Valeu a pena! Um espectáculo!

Regressámos ao hotel atravessando a pé a Ponte de Brooklyn. A vista à noite é inesquecível.

20170810022132
Atravessando a Ponte de Brooklyn à noite

Dia 4

A manhã foi destinada ao Rockefeller Center e proximidades. Começámos com a subida ao Top of the Rock, um dos mais altos e visitados observatórios a céu aberto da cidade de Nova Iorque, cuja entrada se faz pela 50th Street.

20170810151246
Vista do cimo do Top of the Rock

Depois de descer foi hora de visitar todos os espaços do complexo: a Rockefeller Plaza, os prestigiados edifícios e lojas de marca e as magnificas esculturas espalhadas pelo local. O Rockefeller Center também conta com um espaço comercial no nível inferior, o Concourse, formado por lojas, restaurantes e serviços.

IMG_5521
Rockefeller Plaza

Seguindo em direcção à 5ª avenida estendem-se os belos Jardins Channel formados por exóticas plantas, fontes e esculturas.

20170810164159
Jardins Channel

Chegando à 5ª avenida encontramos a grandiosa Catedral de Saint Patrick’s. A sua visita é imperdível e a entrada é gratuita. O interior é arrebatador pela sua grandiosidade e beleza.

20170810165305
Catedral de Saint Patrick’s
20170810170456
Interior da Catedral

A parte da tarde foi passada a visitar o Intrepid Sea, Air & Space Museum. Depois do almoço, apanhámos o metro e saímos na estação Port Authority e resolvemos percorrer a pé os cerca de 1100 metros que nos separavam do museu, localizado no cais 86 do Rio Hudson em Manhattan, na junção da 46th Street com a 12th Avenue.

20170810191530
O porta-aviões Intrepid

O museu está instalado dentro do porta-aviões Intrepid que esteve ao serviço em várias missões como a Guerra Fria, a Guerra do Vietname e recuperação de Missões Espaciais. Além da visita aos espaços interiores do navio, distribuídos por três decks, ainda podemos apreciar no Flight Deck, um espaço exterior, com uma exposição de aviões, helicópteros e caças que estiveram ao serviço dos E.U.A. ao longo do tempo.

20170810205144
Exposição no Flight Deck

Ainda no local é possível visitar o interior do Growler, um submarino de mísseis guiados, e descansar à sombra de um dos aviões Concorde da British Airways.

20170810212903
Concorde

A visita ao Intrepid Sea, Air & Space Museum ocupou-nos a tarde quase toda e seguimos de metro para a Grand Central Station, considerada uma das maiores e mais movimentadas estações ferroviárias do mundo. O seu magnifico hall é de impressionante beleza fazendo deste espaço visita obrigatória para os turistas.

20170810232155
Interior da Grand Central Station

Além dos vários serviços, como lojas comerciais, restaurantes e WC, a estação tem passagem para o Grand Central Market, um mercado onde pode encontrar uma grande variedade de legumes, frutas, carne, peixe, queijos, enchidos, doçaria e pão entre tantos outros produtos. Também tem uma grande variedade de comida feita de grande qualidade e de preço muito acessível. Nós aproveitámos e comprámos o jantar.

IMG_5973
Grande variedade de comida pronta. Cada embalagem destas custou $8 e são muito grandes.

Depois de tantos e tantos quilómetros já percorridos a pé, o cansaço já se fazia sentir e resolvemos recolher ao hotel para recuperar energias para os dias seguintes.

20170810234257
Já a fruta é caríssima! Para registo, fotografámos esta embalagem com aproximadamente 1,800Kg e custa $40.56.

Dia 5

Neste dia as visitas serão todas feitas dentro e a partir do Financial District, na zona sul de Manhattan. A manhã foi dedicada à visita das Liberty e Ellis Islands.

20170811175132
As bilheteiras são no interior do Castle Clinton

Bem cedo, seguimos para o Battery Park onde se situa o cais de onde partem os barcos para as ilhas. A bilheteira situa-se no interior do Castle Clinton e foi aqui que mais sentimos o benefício de ser portador do New York CityPass, passando à frente da enormíssima fila que já se formava de manhã cedo, permitindo-nos conseguir lugar no primeiro barco a sair.

20170811130715.JPG
Cuidado com o que transporta. O controlo de segurança é igual ao de um aeroporto.

A primeira paragem foi na Liberty Island. A visita superou as expectativas e aconselhamos todos a ir e a não deixarem apenas para ver de passagem num barco de carreira.

20170811134356
Cais da Liberty Island

Seguimos para a Ellis Island e aqui o Museu do Imigrante surpreendeu-nos pela dimensão, pela beleza e pelo conteúdo histórico. Muito maior e mais rico do que estávamos à espera.

20170811173735
Aproximação à Ellis Island. As viagens de barco são curtas mas muito bonitas.

Ficámos mais tempo nas ilhas do que o previsto, mas valeu a pena. Ambas são lindas e oferecem belas paisagens sobre a zona sul de Manhattan e o rio Hudson.

IMG_6207
Vista de Manhattan a partir da Ellis Island

Voltámos ao Battery Park, onde almoçámos, e seguimos a pé para o World Trade Center, situado a mais ou menos 1 Km de distância do parque.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Torre da Liberdade vista do Battery Park

A zona do “Ground Zero” é impressionante e o Museu e Memorial do 11 de Setembro prende a nossa atenção obrigando-nos a reviver aquele dia terrível do ano de 2011 onde milhares de inocentes morreram às mãos do terrorismo, aquando dos atentados que originaram o colapso das duas torres gémeas e outros edifícios em volta.

20170811203152
Ground Zero – Memorial do 11 de Setembro

Normalmente chamado de 9/11, o Museu do 11 de Setembro foi criado para homenagear todos os que morreram e todos os que estiveram envolvidos na busca e socorro dos sobreviventes.

20170811184838
Museu do 11 de Setembro – 9/11

No mesmo local foi erguida a Torre da Liberdade que, com os seus 542 metros de altura, é o mais alto edifício dos Estados Unidos da América. Pode ser visitada e tem decks de observação nos pisos 100 e 102.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Torre da Liberdade e entrada da Estação Oculus

Ainda no espaço do World Trade Center, a estação de comboios Oculus, projectada pelo Arquiteto Santiago Calatrava, chama a atenção pelo seu design futurista. O seu interior abriga o Westfield Shopping, o maior Centro Comercial de Manhattan.

20170811204523
Westfield Shopping no interior do Oculus, projecto de Santiago Calatrava

Ao lado, não deixe de visitar a St. Paul’s Chapel que, impressionantemente, ficou intacta após o colapso das torres gémeas. Serviu de refúgio a todos os que estiveram envolvidos nas operações de resgate e no apoio aos trabalhadores que permaneceram no local durante meses.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
St. Paul’s Chapel – no seu interior encontramos dádivas e agradecimentos dos muitos que aqui procuraram refúgio

Depois desta emocionante visita seguimos para Brooklyn para fazermos a travessia da ponte de dia. Um passeio que recomendamos fazer tanto de dia como de noite.

20170811220037(1)
Ponte de Brooklyn – de dia a paisagem estende-se por muitos quilómetros

À saída da ponte, aproveitámos para visitar o Civic Center onde se encontram edifícios monumentais como New York City Hall (a Câmara de Nova Iorque) e, na Foley Square, os edifícios dos Tribunais.

20170811230532
Foley Square – Centro Cívico

Seguimos para a zona de Wall Street onde se encontra a Trinity Church e a Bolsa de Valores de Nova Iorque, a mais importante do mundo.

20170811233411
Trinity Church

Mais à frente, na direção de Bowling Park, encontramos o Touro de Wall Street (Charging Bull) que simboliza o poder financeiro e a prosperidade.

20170811234550
O Touro de Wall Street

Passando o jardim encontramos o monumental edifício do Nacional Museum of American Indian.

20170812000135
Detalhe da impressionante fachada do Nacional Museum of American Indian

Dia 6

Começámos a manhã com a visita ao Empire State Building um dos edifícios mais emblemáticos de Nova Iorque e de onde se consegue ver toda a Manhattan e arredores sem barreiras visuais.

IMG_6496
Vista do cimo do Empire State Building

Seguimos para o Metropolitan Museum of Art, também conhecido por The Met. É o maior museu de arte dos EUA e um dos maiores do mundo. Precisámos de 3 horas para percorrer apenas o percurso recomendado no mapa do museu.

IMG_6524
Metropolitan Museum of Art

Caminhar pela 5ª Avenida também faz parte de um roteiro de visita a Nova Iorque e assim, depois de passar a Grand Army Plaza, chegámos à Torre Trump onde dispensámos algum tempo para visita do interior, apenas com acesso ao espaço comercial e WC’s.

IMG_6708
Trump Tower – fortemente guardada e controlo de entrada apertado

Umas estações de metro mais à frente, ainda na 5ª Avenida, não deixe de visitar a Biblioteca Pública de Nova Iorque. A entrada é gratuita e o seu interior é de grande riqueza arquitectónica e o seu arquivo de valor incalculável. Nas traseiras do edifício vale a pena espreitar o pequeno, mas belo, Bryant Park.

20170812220927
Uma das muitas salas da Biblioteca Pública de Nova Iorque
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bryant Park

A noite foi preenchida com a subida nocturna ao Empire State Building, incluída no New York CityPass. Uma experiência inesquecível.

IMG_6841
A vista à noite do cimo do Empire State Building é quase surreal

Dia 7

Para este dia deixámos o roteiro em branco para o caso de não termos tempo de cumprir todos os planos. Resolvemos abrandar o ritmo e apenas desfrutar calmamente do último dia em Nova Iorque.

20170813153158
Bow Bridge

De manhã voltámos ao Central Park para visitar a Bow Bridge e o Castelo Belvedere onde não tínhamos passado na primeira visita. Imperdível! Aproveitámos para almoçar o nosso cachorro favorito.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Castelo Belvedere

De tarde, já com a hora da partida a aproximar-se, um passeio pelas zonas próximas do hotel. Começámos pela China Town, não muito interessante e bastante suja. Valeu pelo mercado com produtos bem diferentes dos que estamos habituados a ver.

20170813215219
China Town

Depois fomos explorar a zona ribeirinha junto à Ponte de Manhattan. Fomos andando e acabámos a comer gelados no City Hall Park junto à Ponte de Brooklyn. Foi a despedida!

20170813204316
Ponte de Manhattan

Ficámos cansadas? Muito, mas de coração cheio! Durante os 7 dias que estivemos em Nova Iorque andámos muitos e muitos quilómetros. Conseguimos visitar as principais atracções da cidade mas… muitas outras ficaram por ver. Um óptimo motivo para voltar!

20170809002649(1)
A descansar na Times Square. Voltaremos!

♥ Boa viagem ♥

 

Se gostou deste artigo, também poderá estar interessado em ler:

“Nova Iorque – A cidade dos sonhos”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s