Roteiro de 3 dias no norte alentejano

Nas muitas escapadinhas que já fizemos em Portugal, o interior alentejano não tem sido muito privilegiado. Por isso, quando entrámos de férias, resolvemos preencher essa lacuna indo passar três dias na região do Alto Alentejo.

20180806131135
O norte alentejano – Avis

O destino final seria a vila de Alter do Chão, no distrito de Portalegre, onde ficámos alojadas duas noites, apreciando as paisagens e visitando as localidades ao longo do percurso.

20180807130922
Coudelaria de Alter

A reserva foi feita para o início do mês de Agosto e já sabíamos que íamos ter temperaturas do ar muito elevadas. Só não sabíamos que íamos apanhar a maior vaga de calor que já tinha assolado o país. Por isso, não deixe de ler as nossas dicas no fim do artigo de forma a conseguir fazer a viagem com temperaturas do ar acima dos 42 graus centígrados.

20180808133800
Barragem de Montargil

Dia 1

Saímos de Lisboa bem cedo, por volta das 07.00 horas, para fugir ao habitual calor alentejano. Na bagagem, muita água e um farto piquenique para a viagem.

20180808165749
Indispensável ter água sempre fresca

Existem vários percursos, mas optámos por apanhar a A2 desviando para a A6 (saída 7) em direção a Espanha. Saímos então da autoestrada apanhando a Nacional 4 em direção a Arraiolos (saída 4) e fizemos a primeira paragem do dia num desvio da estrada junto ao restaurante “O Parque”. O espaço tem parque de estacionamento, mesas para piqueniques e, apesar do restaurante estar fechado, por ser dia de descanso, existia uma máquina automática de café a funcionar e os WC de apoio estavam abertos e limpos. Uma boa referência para quem circula nesta estrada.

20180806083758
Restaurante “O Parque” e zona de piqueniques – Estrada N4

Depois do pequeno-almoço partimos em direção a Arraiolos virando para a Nacional 251, mas antes de chegarmos à vila vale a pena parar na berma da estrada para apreciar a Fonte da Pedra datada do século XIX.

20180806092027
Fonte da Pedra
20180806092427
Tanque das traseiras
20180806092303
Nos campos, ao lado da fonte, uns amigos curiosos vieram ao nosso encontro

Seguimos então para o Castelo de Arraiolos onde começámos a visita a esta linda vila alentejana.

20180806101859
A caminho do castelo de Arraiolos

O castelo e a muralha foram construídos na mesma época e datam do início do século XIV.

20180806093022
Castelo de Arraiolos

A marcar o centro do espaço amuralhado ergue-se, num monte, a igreja do Salvador.

20180806094921
Igreja do Salvador
20180806094547
Interior da Igreja do Salvador

Foi um bom começo. A vista das ameias é linda, sendo possível ver os povoados e a planície alentejana até perder de vista.

20180806094948
A vila de Arraiolos vista do castelo

Descemos para o centro da vila, onde estacionámos facilmente na Praça da República, junto ao jardim, e iniciámos um passeio a pé.

20180806103011
Coreto da Praça da República

No caminho fomos apreciando a arquitetura, os monumentos, os espaços e, claro, fomos ver os famosos tapetes de Arraiolos, imagem de marca da vila.

20180806103719
As ruas típicas
20180806103708
Os bordados de Arraiolos

Especial destaque para a maravilhosa Igreja da Misericórdia situada no centro histórico da vila, cujo interior está revestido com painéis de azulejos do séc. XVIII.

20180806103617
Igreja da Misericórdia
20180806105551
Interior da Igreja da Misericórdia

A visita superou as nossas expetativas e ficámos na vila mais tempo do que esperávamos.

20180806101608
Homenagem às bordadeiras de Arraiolos

Saímos de Arraiolos pela N370 e rapidamente chegámos a Pavia. Não estava no roteiro inicial, mas como estava em caminho, resolvemos fazer uma breve visita. Afinal estávamos a passear e sem horários a cumprir.

20180806113232
Miradouro de Pavia

Estacionámos o carro junto ao miradouro e fomos a pé até ao centro da pequena vila.

20180806113903
A caminho do centro da vila

Passámos na Igreja Matriz que estava fechada e seguimos para o largo da vila admirando as típicas ruas.

20180806113631
Igreja Matriz de Pavia

No centro do largo um telheiro e um chafariz dão muito jeito para descansar à sombra e para reabastecer as reservas de água.

20180806114615
O centro de Pavia

Em lados opostos erguem-se a Ermida de São Sebastião ou de São Francisco e a Anta de Pavia transformada na Capela de D. Dinis.

20180806114506
Ermida de São Sebastião ou de São Francisco
20180806114711
Anta de Pavia

Continuando o caminho pela N370 chegámos a Avis. A manhã já ia avançada e resolvemos almoçar por aqui. Ainda bem que levámos piquenique porque durante a nossa visita não vimos nenhum restaurante dentro da vila. Após o almoço, fomos visitar o Centro Histórico começando pela Igreja Matriz dedicada à Nossa senhora da Orada.

20180806125249
Igreja Matriz de Avis

A Igreja situa-se no alto do monte que acolhe a vila e as suas torres sineiras destacam-se entre o casario.

20180806125828
Igreja Matriz e Pelourinho de Avis

Depois uma pequena descida até ao Largo do Convento, admirando a típica arquitetura que embeleza as ruelas.

20180806125930
Casa típica

O Largo do Convento é um espaço amplo rodeado por históricos edifícios e pelas muralhas do antigo castelo ligadas por três das seis torres originais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Porta da Vila e Torre da Rainha

De destacar a igreja e antigo convento da Ordem Militar de S. Bento de Avis e o edifício dos Paços do Concelho. Ao lado o edifício que alberga a Câmara Municipal e que tem ao dispor dos visitantes WC público.

20180806130145
Igreja e convento da Ordem Militar de S. Bento de Avis e o edifício dos Passos do Concelho

Umas escadas permitem subir às antigas muralhas e à torre da Rainha de onde se obtém uma vista panorâmica sobre a planície alentejana com a albufeira da barragem do Maranhão e parte da vila.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Avis e Torre da Rainha vistas das muralhas
20180806131515
Albufeira da barragem do Maranhão vista do cimo da Torre da Rainha

Seguindo viagem vale a pena parar um pouco e desfrutar da calma das águas da albufeira.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Albufeira da barragem do Maranhão

A meio da tarde chegámos ao nosso destino, Alter do Chão. Talvez por estar muito calor, a vila estava quase deserta.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Largo Barreto Caldeira e Igreja Matriz

O castelo, datado do século XIV, domina o centro da vila e está denominado como Monumento Nacional.

20180806170242
Castelo de Alter do Chão

Bem perto encontramos a Igreja Matriz, os jardins, o Mercado Municipal e o Chafariz da Barreira. A vila é pequena e facilmente se visita a pé.

20180806170317
Mercado Municipal visto do Jardim Doze Melhores

Alter do Chão é sobretudo conhecida pela sua Coudelaria, fundada para a criação do cavalo Lusitano, cuja raça “Alter Real” é homenageada através de uma estátua equestre erguida numa das entradas da vila.

20180806174217
Homenagem ao cavalo de raça Alter Real

Ficámos alojadas no hotel Varandas de Alter Hotel e Spa. Foi um acolhimento simpático, com decoração tipicamente alentejana, mas não espere luxos e de Spa só tem o nome. Se vai à espera de fazer uma massagem, esqueça. O mais provável é não ser possível. Aproveite para tomar uns banhos na piscina e apanhar um pouco de sol.

20180807144314
Entrada do Hotel Varandas de Alter

Recomendamos o restaurante, que está aberto ao público em geral, e que tem uma excelente cozinha com pratos e doces típicos alentejanos e uma carta com bons vinhos da região.

20180807134807
Os sabores alentejanos: migas e carne de porco. Irrepreensivelmente confecionados.
20180807205638
A típica Sericaia. Deliciosa como na fotografia. De babar!

Dia 2

Depois de um delicioso pequeno-almoço repleto de iguarias locais, partimos para a Coudelaria de Alter localizada na Tapada do Arneiro, a pouco mais de 3 quilómetros de Alter do Chão. Trazíamos muitas expectativas para esta visita e não saímos defraudadas.

20180807132338
Entrada da Coudelaria de Alter

As visitas são guiadas e os bilhetes entre os 13 e os 65 anos custam 7.50€. Existem descontos para as restantes idades e famílias e as crianças até aos 2 anos não pagam.

20180807131136
A Coudelaria situa-se na Tapada do Arneiro onde os cavalos passeiam pelos campos

A Coudelaria foi fundada em 1748 pelo rei D. João V e tem como missão a criação e valorização do cavalo Lusitano Alter Real.

20180807131816
Homenagem ao rei D. João V na Tapada do Arneiro

A visita inicia-se no Centro de Recepção e Interpretação que alberga uma exposição sobre as actividades e valências da “Coudelaria de Alter e do cavalo Alter Real”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Centro de Recepção e Interpretação

Seguimos depois para as cavalariças que alojam dezenas de cavalos lusitanos. Dóceis e bem cuidados estão habituados a interagir com os visitantes proporcionando-nos os melhores momentos da visita.

20180807114150
As cavalariças abrigam dezenas de cavalos
20180807113603
Os próprios cavalos pedem festas aos visitantes

Durante o percurso ainda visitamos o picadeiro, a Casa dos Trens, a Galeria de Exposições, a loja da Coudelaria e muitos outros espaços.

20180807_122154
Casa dos Trens
20180807124609
Galeria de Exposições

Depois, é passear livremente pelos espaços exteriores onde podemos apreciar o casario típico que incluí o edifício da Casa de Campo que em breve será transformada em hotel.

20180807103845
As ruas da Coudelaria
20180807104045
Casa de Campo

Depois de um excelente almoço no restaurante do hotel Varandas de Alter Hotel e Spa, onde degustámos verdadeira comida alentejana, passámos o resto da tarde a descansar e a desfrutar da piscina para fugir do tórrido calor que se fazia sentir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bochechas de porco e migas. Delicioso!
20180807143943
Uma tarde na piscina num dia de muito calor. O descanso merecido!

Dia 3

Partimos de manhã, em direção a Ponte de Sor. Tomámos a estrada N369 e fizemos o desvio para visitar a Ponte Romana de Vila Formosa, inserida no percurso “Olhar sobre a Ribeira de Seda”.

20180808102147
Ponte Romana de Vila Formosa

A ponte foi construída sobre a ribeira de Seda, em finais do séc. I / inícios do séc. II d.C., na via que ligava Lisboa a Mérida com passagem em Alter do Chão. É considerada o mais importante monumento do género em Portugal e foi classificada como Monumento Nacional em Junho de 1910.

20180808102056
Classificada Monumento Nacional

Está desativada para o trânsito automóvel, desde a construção de um viaduto ao lado, cujo projecto incluiu a recuperação da ponte romana.

20180808102513
Actualmente desactivada ao trânsito automóvel

Nas margens da ribeira foi construído um pequeno parque de merendas, com parque de estacionamento, para que se possa usufruir da tranquilidade do local.

20180808102606
Ribeira de Seda

Voltando à estrada seguimos pela N119 até Ponte de Sor. Assim que entrámos na cidade, ao passar a ponte que substituiu a antiga ponte romana, ficámos logo fascinadas com a paisagem sobre a ribeira de Sor e seus jardins.

20180808105152
Ponte sobre a ribeira de Sor

Vale bem a pena passar algum tempo a passear pelas margens da ribeira desfrutando da calma que o lugar oferece.

20180808105532
Zona ribeirinha
20180808110621
Um espaço muito bem cuidado

No centro da cidade destaca-se o pequeno jardim do Campo da Restauração e mais à frente, no Largo Marquês de Pombal, a Igreja Matriz.

20180808113910
Jardim do Campo da Restauração
20180808113029
Igreja Matriz de Ponte de Sor

Continuámos o nosso percurso pela N2 em direção à barragem de Montargil, onde almoçámos num restaurante de estrada, não sem antes visitarmos os bonitos jardins do Hotel do Lago, onde já tínhamos ficado alojadas numa escapadinha de fim-de-semana.

20180808123029
Albufeira da barragem de Montargil vista dos jardins do hotel do Lago

Apesar de já conhecermos a zona, a beleza da paisagem sobre a albufeira da barragem surpreende-nos sempre.

20180808133940
Barragem de Montargil

Uns quilómetros mais à frente aparece o desvio para o Fluviário de Mora, um aquário dedicado aos ecossistemas de água doce.

20180808135958
Entrada do Fluviário de Mora

O espaço foi inaugurado em Março de 2017 e tem como objectivo a sensibilização do público para a necessidade de cuidar desses ecossistemas.

20180808140330
Da nascente até à foz
20180808140430
Alguns dos muitos aquários

A exposição é formada por um conjunto de aquários e espaços terrestres que permitem observar, num percurso desde a nascente até à foz de um rio, as várias espécies animais e vegetais no seu habitat.

20180808141933
São muitas as espécies animais expostas
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Os espaços terrestres também estão representados

O dia já ia longo e seguimos para Lisboa sem mais paragens. Chegámos à agitação da cidade já com saudades das tranquilas planícies alentejanas, onde parece que o tempo anda mais devagar, dos cheiros, das comidas e das gentes. Voltaremos!

20180806111936
Onde o tempo anda mais devagar

♥ Boa viagem ♥

As nossas dicas para quem fizer este percurso de automóvel

  • Em qualquer altura do ano leve o depósito bem cheio de combustível. Não vai encontrar um posto de abastecimento em qualquer estrada ou localidade. Foram bem escassos os que vimos ao longo de grande parte do percurso.
  • Leve um piquenique. Pode circular durante muitos quilómetros sem ver um café ou restaurante. Aproveite, também, os WC que encontrar.
  • Se a intenção é comprar abastecimentos em supermercados, procure-os em vilas maiores porque as mais pequenas nem sempre têm.
  • Se estiver muito calor, leve na bagageira uma boa geleira generosamente abastecida de gelo e água e que mantenha os alimentos frescos. Leve, também, uma geleira mais pequena no interior do carro para manter a água, a consumir no momento, sempre fresca.
  • Coloque um chapéu de sol de praia na bagageira. Se tiver que parar numa estrada descampada, debaixo de um sol abrasador, quer seja para mudar um pneu, por necessidade de uma criança ou por qualquer outro motivo, a sombra vai saber bem.
  • Não se esqueça de levar protetor solar e um chapéu para a cabeça.
  • O Alentejo é tão quente quanto frio. Se for no Inverno leve agasalhos dentro do carro. Uma manta quentinha pode ser útil em qualquer momento.
  • Se quiser fugir ao frio ou ao calor próprios do interior alentejano, procure viajar em alturas do ano com temperaturas mais amenas, mas não deixe de ir. O Alentejo é lindo!
  • E por último, leve estas dicas em consideração, sobretudo se viajar com crianças.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s